China se compromete com a ONU a respeitar os direitos humanos em países que recebem seus investimentos

China se compromete com a ONU a respeitar os direitos humanos em países que recebem seus investimentos

BOLETIM DE IMPRENSA

 

19 de Março de 2019

 

A República Popular da China, acatou 284 das 346 recomendações, sugeridas por dezenas de países no marco de sua terceira Revisão Periódica Universal (RPU), realizada em 15 de março, em Genebra, perante o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC). Na sessão de adoção do relatório da RPU, a delegação chinesa expressou que sua abertura para receber essas recomendações “… demonstra plenamente a determinação da China e sua atitude aberta e ativa em relação à promoção e proteção dos direitos humanos”.

A RPU é uma oportunidade para avaliar, a cada quatro anos e meio, o comportamento de cada estado membro da ONU no campo dos direitos humanos. Embora esta não seja a primeira RPU do país, a resposta da China às recomendações destinadas a prevenir violações de direitos humanos no contexto de seus investimentos no exterior é um marco  para a China e o mundo.

Desde o início do milênio, o Estado chinês colocou em funcionamento um poderoso mecanismo diplomático e financeiro para captar projetos de extrativismo e de infraestrutura em todo o mundo. Assim, na América Latina e no Caribe (ALC), bancos e empresas chinesas tornaram-se atores decisivos para o usufruto dos direitos humanos por grandes grupos sociais, já que os mesmos têm facilitados os seus financiamentos e construção de centenas de projetos de mineração, petróleo, hídricos, e de infra-estrutura de transporte, muitos dos quais causaram sérios danos ambientais e sociais a milhares de pessoas.

No âmbito da última RPU, a China especificamente aceitou, entre outras, duas recomendações das missões diplomáticas do Equador e do Peru, os quais o Estado chinês se compromete a : “Promover medidas para assegurar que projetos de desenvolvimento e infra-estruturas dentro e fora de seu território sejam totalmente compatíveis com os direitos humanos e respeitam o meio ambiente e a sustentabilidade dos recursos naturais, em conformidade com a legislação nacional e internacional aplicável e com os compromissos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável” e “ Consideram a possibilidade de estabelecer uma estrutura legal para garantir que as atividades realizadas pelas indústrias sujeitas à sua jurisdição não menosprezem os direitos humanos em países estrangeiros.”

“Com isso, a China aceitou que a obrigação de proteger os direitos humanos não é apenas dos Estados onde os projetos são realizados, mas também das empresas e empresas chinesas que as executam e as tornam viáveis; Mas, além disso, o Estado chinês será responsável perante o UNHRC por isso “, disse Julia Cuadros de CooperAcción (Peru). A China terá de informar no prazo de dois anos, na sua revisão intermediária perante o UNHRC, os progressos realizados na implementação das recomendações do RPU.

A China também aceitou recomendações da Palestina, Haiti, Fiji, República do Congo e Quênia, em que o país é convidado a levar em conta o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, os Princípios do Marco de Direitos Humanos e Negócios da ONU e a considerar as mudanças climáticas nos investimentos chineses no exterior. Para Marco Antonio Gandarillas do CEDIB (Bolívia) “Tudo isso representa um clamor global que exige que a China respeite os direitos das comunidades locais e da natureza; e ainda mais, desistir dos grandes projetos que só beneficiam seus promotores “.

Aparentemente, e de acordo com os compromissos assumidos com o UNHRC, a China fica com a tarefa de desenvolver um plano de ação para garantir que suas empresas e investidores respeitem os direitos das comunidades locais e do meio ambiente. “Esse compromisso não deve ser considerado uma promessa de papel; Pelo contrário, as organizações sociais de todo o mundo devem observar a palavra ao Estado chinês, vigiar e reportar às embaixadas chinesas e ao CDHNU quando houver violações nos projetos chineses, e exigir reparação pela violação de direitos de populações locais e do meio ambiente ” disse Maria Marta Di Paola da FARN (Argentina).

No ano passado, o Coletivo sobre Financiamento e Investimento chinês, Direitos Humanos e Meio Ambiente (CICDHA), no contexto da RPU, apresentou ao Conselho do Alto Comissariado dos Direitos Humanos das Nações Unidas, com 17 outras ONGs da América Latina, um relatório que analisa 18 projetos que têm participação chinesa no Equador, Peru, Bolívia, Brasil e Argentina. O relatório concluiu que as empresas e bancos chineses violaram sistematicamente vários direitos protegidos pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros instrumentos da ONU. Segundo Sofia Jarrin CDES (Equador) e Coordenadora do CICDHA, “Em colaboração com as comunidades afetadas trabalhamos duro por mais de um ano coletando informações, entregando-as à missões diplomáticas e aos meios de comunicação, porque nós sentimos que o RPU  era uma dos poucas oportunidades para garantir que os governos locais e a China se comprometem com uma mudança”, acrescentou ainda que “O fato das missões diplomáticas nos terem escutado e da China ter escutado as missões, é apenas um passo a frente para alcançar o pleno cumprimento dos direitos humanos no contexto dos investimentos chineses”.

Recomendaciones a China en DDHH y ambiente

Além disso, a RPU da China também constatou sérias violações de direitos humanos no contexto doméstico, especialmente relacionadas a minorias étnicas em Xinjiang e no Tibete, defensores dos direitos humanos e liberdade de expressão. Estas foram as questões mais observadas e para as quais a China assumiu menos compromissos. “Embora reconhecendo este avanço histórico da China no campo de suas responsabilidades extraterritoriais, também nos solidarizamos com o povo chinês que sofre sérios abusos de seus direitos. Definitivamente, não acreditamos em uma abordagem de direitos humanos com características chinesas, como o Estado chinês apontou, ao tentar protelar suas obrigações. Os direitos humanos são, em princípio e na prática, universais “, concluiu Caio Mota, da Proteja Amazônia (Brasil).

China Commits to the United Nations Human Rights Council to Respect Human Rights in its Foreign Investments

China se compromete ante las Naciones Unidas a respetar los derechos humanos en sus inversiones en el exterior

 

***

 

 

Coletivo sobre Financiamento e Investimento chinês, Direitos Humanos e Meio Ambiente (CICDHA) é composto pelo Centro de Derechos Económicos y Sociales (CDES, Ecuador), Centro de Documentación e Información de (Bolivia), la Fundación Ambiente y Recursos Naturales (Argentina), Proteja Amazonía (Brasil) y CooperAción en Perú.

Você também pode encontrar mais informações no Relatório de Referências da EPU da China

 

Para mais informações entre em contato com os representantes da CICDHA em caca país:

 

Equador: cdes@cdes.org.ec

Bolívia: mgandarillasgonzales@gmail.com

Brasil: caiomota1@gmail.com

Argentina: pcostantini@farn.org.ar

Perú: jcuadros@cooperaccion.org.pe